Skip to Store Area:

Editora Terceiro Nome

Você está agora em:

Bogart duplo de Bogart - pistas da persona cinematográfica de Humphrey Bogart, 1941-1946, de Luís Felipe Sobral

Mais Visualizações

Bogart duplo de Bogart - pistas da persona cinematográfica de Humphrey Bogart, 1941-1946, de Luís Felipe Sobral

Enviar para um amigo

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Em Estoque.

R$35,00
Acrescentar itens ao carrinho Adicionar ao Carrinho

Descrição Rápida

 

Autor Luís Felipe Sobral
Páginas 152
ISBN 978-85-7816-159-0
Diagramação e Capa Antonio Kehl
Formato 14 x 21 cm

Coleção Antropologia Hoje

Conselho Editorial:

José Guilherme Cantor Magnani (diretor) - NAU/USP

Luiz Henrique de Toledo - UFSCar

Renata Menezes - MN/UFRJ

Ronaldo de Almeida - Unicamp/Cebrap

Luis Felipe Kojima Hirano (Coord.) - FSC-UFG



Confira aqui o que já saiu na imprensa

Eleito pelo American Film Institute como a maior estrela masculina do cinema norte-americano de todos os tempos, a imagem de Humphrey Bogart (1899-1957) é marcada pelo linguajar cínico, os trejeitos de durão e o inseparável cigarro. Esse tipo inesquecível encarnado pelo ator durante a era de ouro dos estúdios de Hollywood combinou-se com um jeito sedutor que fascinava o público feminino e fez os homens se identificarem.  O antropólogo Luís Felipe Sobral, em seu ensaio Bogart duplo de Bogart, investiga esse ideal de masculinidade personificado pelo ator nova-iorquino nos quatro filmes que marcaram o início de sua carreira: O falcão maltês (de 1941), Casablanca (1942), Uma aventura na Martinica (1944) e À beira do abismo (1946).

No primeiro dos três capítulos que compõem o livro, o autor relaciona a consolidação de Bogart em Hollywood e sua conquista da categoria “estrela de cinema” em O falcão maltês com a cultura visual do cinema clássico. O segundo capítulo parte do triângulo amoroso de Casablanca, descreve o impacto da Segunda Guerra Mundial em Hollywood na persona de Bogart e ainda mostra como o filme foi pautado de forma religiosa para moldar sua mensagem política. O último capítulo revela como a chegada da novata Lauren Bacall, dona de uma insolência capaz de conquistar Bogart dentro e fora das telas, garantiu-lhe sua estabilidade na indústria cinematográfica e forneceu a Bogart o último elemento que faltava para completar sua persona: o par romântico.

Sobre o autor

Luís Felipe Sobral nasceu em Campinas, em 1980. Realizou sua formação na Unicamp, onde defendeu recentemente seu doutorado em Antropologia Social. É autor de artigos e resenhas em revistas científicas e suas pesquisas debruçam-se sobre fenômenos sociais e culturais do entre-guerras.

Cinema    blackfridayantropologia

performance

Você pode também estar interessado nos seguintes produtos

Imagem-violência: etnografia de um cinema provocador, de Rose Satiko Gitirana Hikiji

Imagem-violência: etnografia de um cinema provocador, de Rose Satiko Gitirana Hikiji
R$38,00
       
Acrescentar suas Tags:
Acrescentar Tags
Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.